Local information/pt-br

From Wikimania
Jump to navigation Jump to search

* ar/العربية (missing) * de/Deutsch (missing) * el/Ελληνικά (missing) * en/English (in progress) * es/español (published)* fr/français (missing) * hu/magyar (missing) * ja/日本語 (missing) * ko/한국어 (missing) * ms/Bahasa Melayu (missing) * nl/Nederlands (missing) * pl/polski (missing) * pt/português (published)* ru/русский (missing) * za/Vahcuengh (missing) * zh-hans/中文(简体)‎ (missing) * zh-hant/中文(繁體)‎ (missing)

destination: Local information
source update: 2009-01-10

Como chegar

Aeroporto Ministro Pistarini de Ezeiza

O aeroporto internacional que serve Buenos Aires está situado na localidade de Ezeiza, 40 km ao sudoeste da cidade. Oficialmente se chama Ministro Pistarini (código IATA: EZE), mas é conhecido popularmente como Ezeiza. A viagem em automóvel ao centro da cidade leva cerca de uma hora e meia, dependendo da situação do trânsito.

Um táxi desde o Aeroporto de Ezeiza até o Hotel Bauen —lugar de alojamento— pode custar entre ARS 80 e 100 (ver seção Moeda, câmbio e cartões. Em ônibus, com uma freqüência de meia hora e de boa qualidade (empresa Manuel Tienda León, com escritórios no aeroporto) custa ARS 40 por pessoa. Convém sempre contratar um táxi ou remisse nos lugares autorizados. Pode ser inseguro fazê-lo com pessoas que o oferecem quando você passa.

O Aeroporto Jorge Newbery ou Aeroparque (código IATA: AEP) liga a cidade de Buenos Aires com as outras cidades importantes da Argentina e de países limítrofes. Está situado dentro da cidade, a orlas do rio da Prata, a poucos minutos de carro do centro. Também nele existe o serviço de Manuel Tienda León, por ARS 15. Correm as mesmas recomendações que em Ezeiza quanto aos táxis.

O porto de Buenos Aires se encontra muito próximo do centro principal da cidade. Aportam a ele todo tipo de embarcações, inclusos cruzeiros de luxo. Entre elas se contam duas empresas de ferry (Buquebús e Colonia Express), que realizam viagens diárias entre Buenos Aires e Colônia do Sacramento (Uruguai) e entre Buenos Aires e Montevidéu, capital do Uruguai.

Visas

A informação sobre este aspecto está disponível no artigo sobre visas.

Voos e preços

A informação sobre este aspecto está disponível no artigo sobre voos em avião.

Alojamento

A informação sobre este aspecto está disponível no artigo sobre alojamento.

Sede do evento

A informação sobre este aspecto está disponível no artigo sobre a sede.

Buenos Aires

A histórica Praça de Maio. Ao fundo observa-se a Casa Rosada, sede do poder executivo argentino

O centro histórico de Buenos Aires está centrado na Praça de Maio, lugar fundacional onde se encontram os edifícios que sediam as autoridades que governam ao país —a denominada Casa Rosada— e a cidade.

Esta zona, está constituída principalmente por quarteirões distribuídos estritamente de norte a sul e deste a oeste. Seguindo a disposição em tabuleiro das quadras, o sistema de numeração dos domicílios na cidade é singelo: as quadras possuem uma numeração de 100 números, estando os ímpares de um lado da rua e os pares do lado oposto.

Sobre o lado norte da Praça de Maio, nasce a Avenida Rivadavia, importante artéria viária de grande extensão, na qual mudam de nome as ruas que a atravessam —por exemplo, a rua Florida ao cruzar a Rivadavia passa a chamar-se Peru—.

Os portenhos

O Tortoni, clássico café portenho
A Bombonera, estádio do Boca Juniors

O nome de portenho que recebe o habitante de Buenos Aires faz alusão a sua cercania com o porto, fundamental no nascimento e vida da cidade, ainda que escondido e de difícil acesso como toda a costa do rio da Prata.

Uma das coisas que mais lhe chama o atendimento ao estrangeiro é a vida noturna da cidade: cinemas, teatros, discotecas, salas de espetáculos, restaurantes e pizzarias se mantêm abertos praticamente a noite toda. Os bares ou cafés também o fazem, pois para o portenho tomar café é mais do que o só ato de fazê-lo: é também conversar, fechar um acordo, conhecer a alguém, trocar ideias. Em conseqüência, a maioria dos meios de transporte também funcionam praticamente o dia todo.

Cumprimento

Os argentinos costumam ser amistosos e isto o refletem ao cumprimentar-se, em especial em Buenos Aires, de uma maneira afetiva, com abraços, palmadas, beijos e aproximação de bochechas. Em vários lugares da Argentina, e em particular na capital, o costume geral é cumprimentar-se com um beijo no rosto. O ato de dar-se a mão costuma se reservar no máximo para o primeiro encontro entre desconhecidos ou em situações formais.

No entanto, com estrangeiros se entenderá facilmente que não estejam acostumados ao cumprimento ao argentino. Bastará dizer Hola! e fazer um gesto, como dar a mão ou saudar.

Idioma

O Lunfardo
Começou como uma gíria entre presos. Muitas de suas expressões chegaram com os imigrantes europeus —italianos, principalmente—, outras da linguagem gaúcha. Alguns termos foram incorporados à fala coloquial.

O idioma oficial é o espanhol ou castelhano. Sua variedade local é conhecida como rioplatense, caracterizada entre outras coisas pelo voseo, o uso do pronome vos em lugar de teu para o tratamento informal entre as pessoas, o que faz ter pequenas mudanças na conjugação dos verbos. No uso familiar é muito comum usar a palavra che para dirigir-se ou chamar a alguém. Há muitos localismos, palavras e modismos incorporados do lunfardo, um jargão utilizado na região do rio da Prata.

De qualquer jeito, qualquer variante ou sotaque do espanhol será entendida sem problemas.

O inglês é falado por boa parte da população, e por praticamente todos os empregados no âmbito turístico. Também, em menor medida, são falados o português, o italiano e o francês. Os dois primeiros são em geral entendidos sem maiores dificuldades, dada sua familiaridade e parecido com o espanhol.

Religião

Na Argentina nenhuma religião reveste o caráter oficial e existe total liberdade de cultos. O presidente, por exemplo, pode pertencer a qualquer religião ou mesmo a nenhuma. Não existe violência religiosa.

Não obstante, a religião predominante é a Católica Apostólica Romana. Ainda que existe uma longa tradição de laicidade nas relações Estado-Igreja, a Constituição dispõe em seu artigo 2 que "O Governo federal sustenta o culto católico apostólico romano". Este regime diferenciado, no entanto, não implica elevar ao catolicismo ao nível de religião oficial.

Além do catolicismo, coexistem harmoniosamente no país mais de 2.500 cultos inscritos, como o protestantismo, o pentecostalismo, o judaísmo e o Islã, entre outros muitos credos. A comunidade judia na Argentina é a mais numerosa em América Latina. O Centro Cultural Islâmico de Buenos Aires é, por sua vez, o templo islâmico maior da América Latina.

Clima

Climograma de Buenos Aires
Estatísticas climáticas do mês de agosto
Máxima média Média Mínima média
17,3 °C (63.4 °F)
12,7 °C (54.9 °F)
8,9 °C (48.0 °F)
Dados do Serviço Meteorológico Nacional Argentino (1981-1990)

A alta percentagem de umidade ambiente é uma das principais características do clima em Buenos Aires. Em conseqüência não costumam produzir-se diferenças de temperatura muito grandes. As chuvas não são prolongadas, mas podem ser intensas.

No entanto durante o mês do evento de Wikimania, agosto, o Hemisfério Sul se encontra no inverno, a estação das secas. O tempo, nesse mês, costuma ser frio moderado durante o dia, com noites um pouco frias. Nos últimos 90 anos só nevou em Buenos Aires os dias 22 de junho de 1918 e 9 de julho de 2007.

  • Umidade relativa média: 74%
  • Precipitação média: 63,2 mm

Saúde

Não é necessário tomar nenhum tipo de vacina ao entrar na cidade, é segura sanitariamente. A água de rede é potável.

Os hospitais públicos atendem durante 24 horas, gratuitamente, sem importar se o paciente é ou não turista. Na cidade há treze hospitais de atendimento geral, dois de atendimento para meninos, e outros especializados (queimaduras, oftalmologia, doenças mentais, etc).

Se tem algum problema de saúde ou acidente na rua, o serviço público de ambulâncias que serve o Serviço de Assistência Médica de Emergência (SAME) também é gratuito. Para obtê-lo basta chamar, sem cargo e de qualquer telefone, discando 107.

Segurança

Veículos de polícia como este costumam patrulhar os lugares turísticos

Os índices de delinquência em Buenos Aires não diferem muito do de qualquer outra grande cidade. As recomendações são as mesmas que se costumam dar nelas: cuidar-se dos ímpetos e evitar deixar bolsas, bagagens e carteiras em lugares em que ninguém de confiança possa observá-los; não caminhar por ruas pouco iluminadas; evitar ostentações, especialmente de câmeras, celulares, etc. É recomendável trocar dinheiro só em bancos ou casas de câmbio autorizadas, evitando as pessoas que oferecem o serviço na rua. É recomendável, além disso, deixar o dinheiro, o passaporte e outra documentação importante na caixa forte do hotel.

Existe um telefone gratuito de atendimento ao turista, o 0800 999 2838, ao que se pode chamar de qualquer telefone público para denunciar casos de abuso comercial, delitos, furtos, extravios ou não cumprimento de um serviço contratado. Ou simplesmente para solicitar informação turística. O atendimento é em castelhano, inglês, português, italiano e francês.

Números úteis
Bombeiros: 100
Polícia: 101 ó 911
Defesa Civil: 103
Prefeitura Naval: 106
Ambulâncias: 107
Aeroportos: 5480-6111
Operadora internacional: 000

Também existe a Delegacia do Turista, que atende as denúncias dos turistas vítimas de delitos, roubos, furtos, extravios, paradeiros e desencontros, e assiste em trâmites especiais ante embaixadas ou consulados. Conta com intérpretes em inglês, italiano, francês, português, ucraniano e japonês. Uma destas delegacias fica em Avenida Corrientes 436, telefone 0800 999 5000 ou 4346 5748.

O telefone de emergências policiais, na cidade, é o 911 —o 101, que funciona em todo o país, também o faz em Buenos Aires—.

Em caso de maltrato, abuso ou discriminação, também é possível dirigir-se à Defensoria do Turista, pelo telefone 4302-7816 ou pessoalmente na Av. Pedro de Mendoza 1835 (localizada dentro do Museu de Belas artes "Benito Quinquela Martín").

Transporte

Colectivo (ônibus)

Ônibus da linha 152

O colectivo —de transporte coletivo— é o nome que, na Argentina, dá-se aos ônibus, e fazem parte da tradição portenha. É o transporte mais utilizado, funciona a toda hora. As paradas se identificam com um cartaz que indica o número da linha e uma breve síntese dos principais pontos de seu percurso.

Cada linha tem um número e um ou mais cores que a identificam. Ascende-se pela porta dianteira e se desce pela traseira ou central. Para solicitar a parada ao motorista deve-se tocar uma campainha que se encontra próximo à porta logo antes à parada de destino.

Existem só três tarifas, uma de ARS 1,10 (US$ 0,30) por viagem, outra de 1,20 e uma terceira de 1,25. A passagem nas viagens urbanas se paga dentro do ônibus e pode fazer-se com moedas, numa máquina ao efeito ou com cartão magnético pré-pago.

Os coletivos funcionam as 24 horas, mas a partir das 12 da noite a frequência é reduzida.

Metrô

Plano da rede de metrô

Buenos Aires conta com seis linhas de metrô —conhecido como subte— que levam aos lugares mais importantes da cidade. Estão denominadas por letras (A, B, C, D, E e H). A rede tem uma organização radial, com quatro linhas paralelas afastando-se do centro e dois transversais —o C e a H—. Em algumas estações do subte podem pedir-se planos de graça com os percursos e o mapa da zona central. Funcionam aproximadamente desde as 05h até pouco antes das 11h da noite, dependendo da linha.

A tarifa custa ARS 1,10 (US$ 0,30) por viagem. O bilhete consiste num cartão com um ou até 10 viagens; podem realizar-se livremente combinações entre linhas sem necessidade de adquirir um novo. Nem todas as estações permitem, no entanto, cruzar à plataforma contrária. Os trens circulam pela esquerda, ao contrário do tráfico automotor que o faz, como na maioria de países do mundo, pela direita. Em caso de reclamação ou sugestão pelo serviço de subte, pode contatar ao CAP (Centro de Atendimento ao Passageiro): 0800-555-1616.

A linha B percorre integralmente a Avenida Corrientes. A estação Uruguay fica a uns 100 metros do Centro Cultural San Martín, sede de Wikimania. A seguinte para o oeste, Callao, localiza-se a sua vez nas proximidades do Hotel Bauen, alojamento para participantes da conferência.

Táxis e remisses

Táxi em Buenos Aires

Os táxis são pretos com teto amarelo. Nas portas, dentro de um círculo, levam o número de licença. Buenos Aires é uma das cidades com maior quantidade de táxis do mundo, é comum encontrá-los em qualquer rua da cidade a qualquer hora do dia. A tarifa se compõe de um preço inicial (bandeirada), e um adicional por distância e tempo, que contabilizará o taxímetro eletrônico. Na atualidade a bandeirada é de ARS 3,80 (US$ 1,08) pelos primeiros 200 metros e 0,38 por cada 200 metros ou minuto adicional decorrido.

Existem táxis de diferentes companhias (radiotaxis) e táxis particulares. Os primeiros são mais seguros e podem chamar-se por telefone, geralmente sem custo adicional. Isto não quer dizer que os outros devam excluir-se. Existem também os remisses, carros sem cor fixa que se chamam por telefone e levam ao passageiro ao destino pedido. O preço se arruma, ao contrário dos táxis, antes da viagem. A tarifa mínima é de uns ARS 8 (US$ 3) e o preço depende da distância percorrida.

Aluguel de veículos

Em Buenos Aires operam as principais companhias internacionais de aluguel de automóveis —Hertz, Avis, Alamo, Budget, National, Thrifty, Dollar— e algumas outras nacionais, com escritórios nos aeroportos e no centro da cidade. No entanto não é recomendável alugar um veículo para locomover-se dentro da cidade já que o tráfico pode estar um tanto desordenado e os lugares para estacionar no centro são escassos e caros. No entanto, alugar um automóvel entre várias pessoas pode ser uma boa opção para ir a lugares turísticos próximos a Buenos Aires.

Telefonia

Telefonia pública e fixa

Central Telefônica

Há grande quantidade de telefones públicos que funcionam com moedas e cartões, e permitem realizar qualquer tipo de ligações. Além disso, há numerosos centrais telefônicas (conhecidos como locutórios ou telecentros) para realizar ligações telefônicas, enviar fax ou utilizar internet.

Para realizar uma ligação ao exterior do país se deve discar 00 + código do país a chamar + código do área + número local. O código de país da Argentina é 54, e o de área da cidade de Buenos Aires é 11.

Telefonia celular

Há três grandes operadores de telefonia celular em Buenos Aires: Telefónica Movistar, Telecom Personal e Claro. Estas três companhias operam redes GSM nas bandas de 850 e 1900 MHz. A maior parte das redes GSM europeias operam nas bandas de 900 e 1800 MHz, pelo que para telefones europeus é conveniente assegurar que ao menos permita uma terceira banda (que seja 1900 ou 850 MHz). Também estas companhias dão cobertura de dados UMTS/HSDPA nas bandas de 850 e 1900 MHz. Não existe cobertura para a banda UMTS européia de 2100 MHz.

Já que os custos de roaming costumam ser elevados, uma alternativa é adquirir um cartão SIM GSM pré-pago de um operador local. Estas têm um custo aproximado de US$ 3.

Eletricidade

Plugue e tomada utilizados na Argentina

A eletricidade na Argentina é de 220v a 50Hz.

Os plugues são similares aos australianos e neozelandeses, e totalmente compatíveis com estes. Também é possível em muitos lugares utilizar o conector europeu cilíndrico de dois plugues. Podem-se adquirir com facilidade conversores entre ambos formatos.

Moeda, câmbio e cartões

File:Unpeso frente.jpg
Moeda de um peso

A moeda legal é o peso argentino (ISO 4217: ARS), representado com o signo pesos ($). A cotação atual do dolar é de $3,80 / $3,84 e a de do euro é de $5,40 / $5,51 (comprador/vendedor). A moeda estadunidense é representada em geral com a sigla US$, reservando-se o signo pesos para a local.

O dólar costuma ser aceito em lugares turísticos. Pode mudar-se em bancos e casas de câmbio, de 10 a 15 horas, mostrando o passaporte. Não é recomendável trocar com pessoas que ofereçam o serviço na rua. Dentro do aeroporto só se recomenda mudar dinheiro nas sucursais do Banco de la Nación Argentina, os demais locais de câmbio de divisas não oferecem tipos de troco vantajosos.

Em toda a cidade há caixas eletrônicos que podem entregar pesos argentinos através de quase qualquer cartão de crédito ou débito, pois estes fazem parte das redes Cirrus/Mastercard ou Visa Plus. Alguns caixas têm a opção de retirar bilhetes de dólares estadunidenses, especialmente os que estão no centro da cidade. Os cheques de viajante geralmente se aceitam só em áreas turísticas, mas não são nada comuns fora delas. Os bilhetes em circulação são de 100, 50, 20, 10, 5 e 2 pesos. As moedas de 1 peso e de 50, 25, 10, e 5 centavos.

Conquanto há sucursais dispersas por toda a cidade, a maioria das entidades bancárias possuem suas casas centrais no denominado City, delimitada pela Av. Rivadavia, rua San Martín, Av. Corrientes e a rua 25 de Mayo. Nesta zona se localiza também o Banco Central. A sucursal do Banco Ciudad localizada na Av. Córdoba, 675 (entre Florida e Maipú) dispõe de caixas exclusivas para turistas. Ali se pode realizar compra e venda de euros, dólares e travelers cheques com só apresentar o passaporte.

Cartões de crédito

Emergências com cartões
Em caso de roubo ou perda das mesmas poderá comunicar-se telefonicamente.
Master Card: 4340-5700, American Express: 4312-1661, Diners: 0-810-444-2484, Visa: 4379-3333

Em 2007, existiam na Argentina cerca de 17 milhões de cartões de crédito e quase 15 milhões de débito. O uso das mesmas é comum nas grandes cidades do país, ainda que em comércios muito pequenos é possível que não sejam aceitadas. Tenha em conta, que o uso das mesmas podem supor um sobrecarrego de 10 a 20%. Além disso, muitos táxis não aceitam o uso de cartões, assim como os museus. As mais usadas são Visa, Visa Electron, Maestro, Mastercard, AMEX, Diners e JCB.

Compra livre de impostos

Na Argentina existe o chamado imposto ao valor agregado (IVA), que é do 21%.

Em muitos comércios dedicados ao turismo existe a chamada modalidade tax free, que permite ao estrangeiro recuperar o que pagou de IVA ao comprar. Para isso deve de guardar as faturas e formulários de devolução de impostos e fazer selar os mesmos no balcão de alfândega do aeroporto, próximo dos balcões de check-in [1].

Gorjetas

Nos restaurantes e cafés o serviço de mesa ou talher sai entre 3 e 6 pesos por pessoa. Depois de ter pago é costume deixar sobre a mesa entre o 10 e 20% do valor do comprovante como gorjeta.

Não é usual deixar gorjetas nos táxis, ainda que em ocasiões pode arredondar-se o custo da viagem para acima. Por exemplo, se a viagem saiu ARS 21,70, costuma-se pagar 22.

Gastronomia

Proibido fumar
Está proibido fumar em todos os lugares públicos fechados. Não obstante, há alguns restaurantes que possuem salões especiais para fumantes.

Aproximadamente, o café da manhã se serve desde as 6 até as 11 h, o almoço das 12 às 15.30 h, e o jantar das 20 até a 1 ou 2 da manhã. Muitos restaurantes fecham as segundas-feiras ou os domingos à noite.

Em muitos bares, os clientes podem pedir emprestado o jornal do dia. Ao garçom, ou mesero, se diz mozo ou jefe em Buenos Aires. Todos os moços portenhos interpretam o signo de um C maiúsculo feita com o indicador e o polegar de uma mão como o pedido de um café.

Bebidas

Chimarrão (Mate) com bomba

Os argentinos são assíduos consumidores de uma infusão quente denominada mate (conhecido como chimarrão no Sul do Brasil) que se prepara com a folhas secas e trituradas da planta de erva mate. Esta bebida não se toma em xícara nem copo, mas sim se coloca num recipiente, também chamado de mate, que é redondo embaixo e termina numa abertura na que se introduz uma bomba pela qual se absorve a infusão. O mais comum é tomá-lo entre várias pessoas, compartilhando a mesma bomba.

A produção de vinhos na Argentina se modernizou muito nas últimas décadas. Mendonza produz os vinhos principais, também são bons os das províncias de San Juan, Salta e Rio Negro. Os vinhos argentinos têm muito boa reputação e grande parte da produção se destina à exportação. A cepa insígnia argentina é o malbec, que produz vinhos tintos de grande corpo, também se destaca o Syrah. Além disso, é muito característico o torrontés, um vinho branco que parece doce, mas não é.

Entre as bebidas alcoólicas que se encontram nos bares, aparte das mais comuns, como o vinho ou a cerveja, são clássicos em Buenos Aires o fernet (um amargo de origem italiana) e o gim (que não é o gin inglês, e sim a versão holandesa).

Comidas tradicionais