Local information/pt

From Wikimania
Jump to navigation Jump to search

* ar/العربية (missing) * de/Deutsch (missing) * el/Ελληνικά (missing) * en/English (in progress) * es/español (published)* fr/français (missing) * hu/magyar (missing) * ja/日本語 (missing) * ko/한국어 (missing) * ms/Bahasa Melayu (missing) * nl/Nederlands (missing) * pl/polski (missing) * pt/português (published)* ru/русский (missing) * za/Vahcuengh (missing) * zh-hans/中文(简体)‎ (missing) * zh-hant/中文(繁體)‎ (missing)

destination: Local information
source update: 2009-01-10

Como chegar

Aeroporto Ministro Pistarini de Ezeiza

O aeroporto internacional que dá serviço a Buenos Aires está situado na localidade de Ezeiza, 40 km ao sudoeste da Cidade. Oficialmente se denomina Ministro Pistarini (código IATA: EZE), mas é conhecido popularmente como Ezeiza. A viagem em auto ao centro da Cidade demorará entre meia e uma hora, dependendo do trânsito.

Um táxi desde o Aeroporto de Ezeiza até o Hotel Bauen —lugar de alojamento— pode custar entre ARS 80 e 100 (ver seção Moeda, câmbio e cartões. Em ônibus, com uma freqüência de meia hora e de boa qualidade (empresa Manuel Tienda León, com escritórios no aeroporto) custa ARS 40 por pessoa. Convém sempre contratar um táxi ou remisse nos lugares autorizados. Pode resultar inseguro fazê-lo com pessoas que se o ofereçam ao passar.

O Aeroporto Jorge Newbery ou Aeroparque (código IATA: AEP) enlaça a Cidade de Buenos Aires com o resto de cidades importantes da Argentina e países limítrofes. Está situado dentro da Cidade, a orlas do rio da Prata, a poucos minutos em auto do centro. Também aqui existe o serviço de Manuel Tienda León, por ARS 15. Correm as mesmas recomendações que em Ezeiza quanto aos táxis.

O porto de Buenos Aires se encontra muito perto do centro principal da cidade. Aportam a ele todo tipo de embarcações, inclusos cruzeiros de luxo. Entre elas se contam duas empresas de ferry (Buquebús e Colonia Express), que realizam viagens diárias entre Buenos Aires e Colônia do Sacramento (Uruguai) e entre Buenos Aires e Montevidéu, capital do Uruguai.

Visas

A informação sobre este aspecto está disponível no apartado sobre visas.

Vôos e preços

A informação sobre este aspecto está disponível no apartado sobre vôos em avião.

Alojamento

A informação sobre este aspecto está disponível no apartado sobre alojamento.

Sede do evento

A informação sobre este aspecto está disponível no apartado sobre a sede.

Buenos Aires

A histórica Praça de Maio. Ao fundo se observa a Casa Rosada, sede do poder executivo

O capacete histórico de Buenos Aires está centrado na Praça de Maio, lugar fundacional onde se encontram os edifícios que albergam às autoridades que governam ao país —a denominada Casa Rosada— e à Cidade.

Esta zona, está constituída principalmente por quarteirões distribuídas estritamente de norte a sul e deste a oeste. Seguindo a disposição em tabuleiro das quadras, o sistema de numeração dos domicílios na Cidade é singelo: as quadras possuem uma numeração de 100 números, estando os ímpares de um lado da rua e os pares do oposto.

Sobre o lado norte da Praça de Maio, nasce a Avenida Rivadavia, importante artéria vial de grande extensão, na qual mudam de nome as ruas que a atravessam —por exemplo, a rua Florida ao cruzar Rivadavia passa a chamar-se Peru—.

Os portenhos

O Tortoni, clássico café portenho
A Bombonera, estádio de Boca Juniors

O nome de portenho que recebe o habitante de Buenos Aires faz alusão a sua cercania com o porto, fundamental no nascimento e vida da cidade, ainda que escondido e de difícil acesso como toda a costa do rio da Prata.

Uma das coisas que mais lhe chama o atendimento ao estrangeiro é a vida noturna da cidade: cinemas, teatros, discotecas, salas de espetáculos, restaurantes e pizzarias se mantêm abertos praticamente a noite toda. Os bares ou cafés também o fazem, pois para o portenho tomar café é mais do que o só ato de fazê-lo: é também conversar, fechar um acordo, conhecer a alguém, trocar idéias. Em conseqüência, a maioria dos meios de transporte também funcionam praticamente o dia todo.

Cumprimento

Os argentinos costumam ser amistosos e isto o refletem ao cumprimentar-se, em especial em Buenos Aires, de uma maneira afetiva, com abraços, palmadas, beijos e aproximação de bochechas. Em vários lugares da Argentina, e em particular na capital, o costume geral é cumprimentar-se com um beijo na bochecha. Dar-se a mão costuma reservasse no máximo para o primeiro encontro entre desconhecidos ou em situações formais.

No entanto, com estrangeiros se entenderá facilmente que não estejam costumados ao cumprimento ao argentino. Bastará com dizer Hola! e fazer um gesto, como dar a mão ou saudar.

Idioma

O Lunfardo
Começou como uma gíria entre presos. Muitas de suas expressões chegaram com os imigrantes europeus —italianos, principalmente—, outras da linguagem gaúcho. Alguns termos foram incorporados ao fala coloquial.

O idioma oficial é o espanhol ou castelhano. Sua variedade local é a conhecida como rioplatense, caracterizada entre outras coisas pelo voseo, o uso do pronome vos em lugar de teu para o trato informal entre as pessoas, o que arca pequenas mudanças na conjugação dos verbos. No uso familiar é muito comum usar a palavra che para dirigir-se ou chamar a alguém. Há muitos localismos, palavras e modismos incorporados do lunfardo, um jargão utilizado na região do rio da Prata.

De qualquer jeito, qualquer variante ou sotaque do espanhol será entendida sem problemas.

O inglês é falado por boa parte da população, e por praticamente todos os empregados no âmbito turístico. Também, em menor medida, são falados o português, o italiano e o francês. Os dois primeiros são em general entendidos sem maiores dificuldades, dada sua familiaridade e parecido com o espanhol.

Religião

Na Argentina nenhuma religião reveste o caráter oficial e existe total liberdade de cultos. O presidente, por exemplo, pode pertencer a qualquer religião ou bem a nenhuma. Não existe violência religiosa.

Não obstante, a religião predominante é a Católica Apostólica Romana. Ainda que existe uma longa tradição de laicidade nas relaciones Estado-Igreja, a Constituição dispõe em seu artigo 2 que "O Governo federal sustenta o culto católico apostólico romano". Este regime diferenciado, no entanto, não implica elevar ao catolicismo ao nível de religião oficial.

Além do catolicismo, coexistem harmoniosamente no país mais de 2.500 cultos inscriptos, como o protestantismo, o pentecostalismo, o judaísmo e o Islã, entre outros muitos credos. A comunidade judia na Argentina é a mais numerosa em América Latina. O Centro Cultural Islâmico de Buenos Aires é, por sua vez, o templo islâmico maior de Latinoamérica.

Clima

Climograma de Buenos Aires
Estatísticas climáticas do mês de agosto
Máxima média Média Mínima média
17,3 °C (63.4 °F)
12,7 °C (54.9 °F)
8,9 °C (48.0 °F)
Dados do Serviço Meteorológico Nacional (1981-1990)

A alta percentagem de umidade ambiente é uma das características principais do clima em Buenos Aires. Em conseqüência não costumam produzir-se diferenças de temperatura demasiado grandes. As chuvas não são demasiado prolongadas, mas si podem ser intensas.

No entanto durante o mês do evento de Wikimanía, agosto, o Hemisfério Sur se encontra em inverno e não é quando mais chove. O tempo, nesse mês, costuma ser frio moderado durante o dia, com noites um pouco frias. Nos últimos 90 anos só nevou em Buenos Aires os dias 22 de junho de 1918 e 9 de julho de 2007.

  • Umidade relativa média: 74%
  • Precipitação média: 63,2 mm

Saúde

Não é necessário aplicar-se nenhum tipo de vacinas ao entrar à Cidade, é segura sanitariamente. O água de rede é potável.

Os hospitais públicos atendem as 24 horas, em forma gratuita, sem importar se o paciente é ou não turista. Na cidade há treze hospitais de atendimento geral, dois de atendimento para meninos, e outros especializados (queimaduras, oftalmología, doenças mentais, etc).

Se se tem algum problema de saúde ou acidente na rua, o serviço público de ambulâncias que brinda o Serviço de Assistência Médica de Emergência (SAME) é também gratuito. Para obtê-lo basta chamar, sem cargo e desde qualquer telefone, ao 107.

Segurança

Veículos de polícia como este costumam patrulhar os lugares turísticos

Os índices de delinquência em Buenos Aires não diferem muito do de qualquer grande cidade. As recomendações são as mesmas que se costumam dar nelas: cuidar-se dos arrebatos e evitar deixar bolsas, bagagens e carteiras em lugares em que ninguém de confiança possa observá-los; não caminhar por ruas pouco alumiadas; evitar ostentações, especialmente de câmaras, celulares, etc. É recomendável trocar dinheiro só em bancos ou casas de câmbio autorizadas, evitando às pessoas que o ofereçam na rua. É recomendável, ademais, deixar o dinheiro, o passaporte e outra documentação importante na caixa forte do hotel.

Existe um telefone gratuito de atendimento ao turista, o 0800 999 2838, ao que se pode chamar desde qualquer telefone público para denunciar casos de abuso comercial, delitos, furtos, extravios ou não cumprimento de um serviço contratado. Ou simplesmente para solicitar informação turística. O atendimento é em castelhano, inglês, português, italiano e francês.

Números úteis
Bombeiros: 100
Polícia: 101 ó 911
Defesa Civil: 103
Prefectura Naval: 106
Ambulâncias: 107
Aeroportos: 5480-6111
Operadora internacional: 000

Também existe a Delegacia do Turista, que atende as denúncias dos turistas vítimas de delitos, roubos, furtos, extravios, paradeiros e desencontros, e assiste em trâmites especiais ante embaixadas ou consulados. Conta com intérpretes em inglês, italiano, francês, português, ucraniano e japonês. Uma destas delegacias fica em Avenida Correntes 436, telefone 0800 999 5000 ou 4346 5748.

O telefone de emergências policiais, na Cidade, é o 911 —o 101, que funciona em todo o país, também o faz em Buenos Aires—.

Em caso de maltrato, abuso ou discriminação, também é possível dirigir-se à Defensoría do Turista, ao telefone 4302-7816 ou pessoalmente em Av. Pedro de Mendoza 1835 (localizada dentro do Museu de Belas artes "Benito Quinquela Martín").

Transporte

Colectivo (ônibus)

Ônibus da linha 152

O colectivo —de transporte coletivo— é o nome que na Argentina se lhe dá aos ônibus, e fazem parte da tradição portenha. É o transporte mais utilizado, funciona a toda hora. As paragens se identificam com um cartaz que indica o número da linha e uma breve síntese dos principais pontos de seu percurso.

Cada linha tem um número e um ou mais cores que a identificam. Ascende-se pela porta dianteira e se desce pela traseira ou central. Para solicitar o descenso ao motorista se deve tocar uma campainha que se encontra próximo à porta antecipadamente à paragem de destino.

Existem só três tarifas, uma de ARS 1,10 (USD 0,30) por viagem, outra de 1,20 e uma terça de 1,25. A passagem nas viagens urbanas se paga dentro do ônibus e pode fazer-se com moedas, numa máquina ao efeito ou com cartão magnético prepaga.

Os coletivos funcionam as 24 horas, mas a partir das 12 da noite a freqüência se reduz.

Metrô

Plano da rede de metrô

Buenos Aires conta com seis linhas de metrô —conhecido como subte— que levam aos lugares mais importantes da cidade. Estão denominadas por letras (A, B, C, D, E e H). A rede tem uma organização radial, com quatro linhas paralelas afastando-se do centro e dois transversais —o C e a H—. Em algumas estações do subte podem pedir-se planos de graça com os percursos e o mapa da zona central. Funcionam aproximadamente desde as 05 até pouco antes das 11 da noite, dependendo da linha.

A tarifa custa ARS 1,10 (USD 0,30) por viagem. O bilhete consiste num cartão com um ou até 10 viagens; podem realizar-se livremente combinações entre linhas sem necessidade de abonar um novo. Não todas as estações permitem, no entanto, cruzar à plataforma contrária. Os trens circulam pela esquerda, ao revés do tráfico automotor que o faz, como na maioria de países do mundo, pela direita. Em caso de reclamo ou sugestão pelo serviço de subte, pode chamar ao CAP (Centro de Atendimento ao Passageiro): 0800-555-1616.

A linha B percorre integralmente a Avenida Corrientes. A estação Uruguay fica a uns 100 metros do Centro Cultural San Martín, sede de Wikimanía. A seguinte para o oeste, Callao, localiza-se a sua vez nas proximidades do Hotel Bauen, alojamento para assistentes à conferência.

Táxis e remisses

Táxi em Buenos Aires

Os táxis são pretos com teto amarelo. Nas portas, dentro de um círculo, levam o número de licença. Buenos Aires é uma das cidades com maior quantidade de táxis do mundo, é comum encontrá-los em qualquer rua da cidade a qualquer hora do dia. A tarifa se compõe de um preço inicial (bandeirada), e um adicional por distância e tempo, que contabilizará o taxímetro eletrônico. Na atualidade a bandeirada é de ARS 3,80 (USD 1,08) pelos primeiros 200 metros e 0,38 por cada 200 metros ou minuto adicional decorrido.

Existem táxis de diferentes companhias (radiotaxis) e táxis particulares. Os primeiros são mais seguros e podem chamar-se por telefone, geralmente sem custo adicional. Isto não quer dizer que os outros devam excluir-se. Existem também os remisses, autos sem cor fixa que se chamam por telefone e levam ao passageiro ao destino pedido. O preço se arruma, ao revés dos táxis, antes da viagem. A tarifa mínima é de uns ARS 8 (USD 3) e o preço depende da distância percorrida.

Aluguel de veículos

Em Buenos Aires operam as principais companhias internacionais de aluguel de automóveis —Hertz, Avis, Alamo, Budget, National, Thrifty, Dollar— e algumas outras nacionais, com escritórios nos aeroportos e no centro da cidade. No entanto não é recomendável alugar um veículo para mover-se dentro da Cidade já que o tráfico pode resultar um tanto desordenado e os lugares para estacionar no centro são escassos e custosos. No entanto, alugar um auto entre várias pessoas pode ser uma boa opção para ir a lugares turísticos próximos a Buenos Aires.

Telefonia

Telefonia pública e fixa

Central Telefônica

Há grande quantidade de telefones públicos que funcionam com moedas e cartões, e permitem realizar qualquer tipo de ligações. Ademais há numerosos centrales telefônicas (conhecidos como locutórios ou telecentros) para realizar ligações telefônicas, enviar fax ou utilizar Internet.

Para realizar uma ligação ao exterior do país se deve discar 00 + código do país a chamar + código do área + número local. O código de país da Argentina é 54, e o de área da Cidade de Buenos Aires 11.

Telefonia celular

Há três grandes operadores de telefonia celular em Buenos Aires: Telefónica Movistar, Telecom Personal e Claro. Estas três companhias operam redes GSM nas bandas de 850 e 1900 MHz. A maior parte das redes GSM européias operam nas bandas de 900 e 1800 MHz, pelo que para telefones europeus é conveniente assegurar que ao menos permita uma terceira banda (já seja 1900 ou 850 MHz). Também estas companhias dão cobertura de dados UMTS/HSDPA nas bandas de 850 e 1900 MHz. Não existe cobertura para a banda UMTS européia de 2100 MHz.

Já que os custos de roaming costumam ser elevados, uma alternativa é adquirir um cartão SIM GSM prepaga de um operador local. Estas têm um custo aproximado de USD 3.

Eletricidade

Plugue e tomacorriente utilizado em Argentina

A eletricidade na Argentina é de 220v a 50Hz.

Os plugues são similares aos australianos e neozelandeses, e totalmente compatíveis com estes. Também é possível em muitos lugares utilizar o conector europeu cilíndrico de dois plugues. Podem-se adquirir com facilidade conversores entre ambos formatos.

Moeda, câmbio e cartões

File:Unpeso frente.jpg
Moeda de um peso

A moeda legal é o peso argentino (ISO 4217: ARS), representado com o signo pesos ($). A cotação atual do dolar é de $3,80 / $3,84 e a de do euro é de $5,40 / $5,51 (comprador/vendedor). A moeda estadounidense é representada pelo geral com a sigla U$S, reservando-se o signo pesos para a local.

O dólar costuma ser aceitado em lugares turísticos. Pode mudar-se em bancos e casas de câmbio, de 10 a 15 horas, mostrando o passaporte. Não é recomendável mudar-lhe a pessoas que o ofereçam na rua. Dentro do aeroporto só se recomenda mudar dinheiro nas sucursais do Banco de la Nación Argentina, os demais locais de câmbio de divisas não oferecem tipos de troco vantajosos.

Em toda a cidade há caixas eletrônicos que podem entregar pesos argentinos através de quase qualquer cartão de crédito ou débito, pois estes fazem parte das redes Cirrus/Mastercard ou Visa Plus. Alguns caixas têm a opção de retirar bilhetes de dólares estadonidenses, especialmente os que estão no centro da cidade. Os cheques de viajante geralmente se aceitam só em áreas turísticas, mas não são nada comuns fora delas. Os bilhetes em circulação são de 100, 50, 20, 10, 5 e 2 pesos. As moedas de 1 peso e de 50, 25, 10, e 5 centavos.

Conquanto há sucursais dispersas por toda a cidade, a maioria das entidades bancárias possuem suas casas centrais no denominado City, delimitada pela Av. Rivadavia, rua San Martín, Av. Corrientes e a rua 25 de Mayo. Nesta zona se localiza também o Banco Central. A sucursal do Banco Ciudad localizada em Av. Córdoba 675 (entre Florida e Maipú) dispõe de caixas exclusivas para turistas. Ali se pode realizar compra e venda de euros, dólares e travelers cheques com só apresentar o passaporte.

Cartões de crédito

Emergências com cartões
Em caso de roubo ou perda das mesmas poderá comunicar-se telefonicamente.
Master Card: 4340-5700, American Express: 4312-1661, Diners: 0-810-444-2484, Visa: 4379-3333

Em 2007, existiam em Argentina arredor 17 milhões de cartões de crédito e quase 15 milhões de débito. O uso das mesmas é comum nas grandes cidades do país, ainda que em comércios muito pequenos é possível que não sejam aceitadas. Tenha em conta, que o uso das mesmas podem supor um sobrecarrego de entre o 10 e o 20%. Ademais, muitos táxis não aceitam o uso de cartões, ao igual que museus. As mais usadas são Visa, Visa Electron, Maestro, Mastercard, AMEX, Diners e JCB.

Compra livre de impostos

Na Argentina existe o chamado imposto ao valor agregado (IVA), que é do 21%.

Em muitos comércios dedicados ao turismo existe a chamada modalidade tax free, que lhe permite ao estrangeiro recuperar o que pagou de IVA ao comprar. Para isso deve de guardar as faturas e formulários de devolução de impostos e fazer selar os mesmos no balcão de alfândega do aeroporto, próximo dos balcões de check-in [1].

Gorjetas

Nos restaurantes e cafés o serviço de mesa ou talher sai entre 3 e 6 pesos por pessoa. Depois de ter pago é costume deixar sobre a mesa entre o 10 e 20% do valor do comprovante como gorjeta.

Não é usual deixar gorjetas nos táxis, ainda que em ocasiões pode arredondar-se o custo da viagem para acima. Por exemplo, se a viagem saiu ARS 21,70, se estila pagar 22.

Gastronomia

Proibido fumar
Está proibido fumar em todos os lugares públicos fechados. Não obstante, há alguns restaurantes que possuem salões especiais para fumantes.

Aproximadamente, o café da manhã se serve desde as 6 até as 11 h, o almoço das 12 às 15.30 h, e o jantar das 20 até a 1 ou 2 da manhã. Muitos restaurantes fecham as segundas-feiras ou os domingos à noite.

Em muitos bares, os clientes podem pedir prestado o jornal do dia. Ao garçom, ou mesero, se lhe diz mozo ou jefe em Buenos Aires. Todos os moços portenhos interpretam o signo de um C maiúsculo feita com o índice e o polegar de uma mão como o pedido de um café.

Bebidas

Chimarrão (Mate) com bomba

Os argentinos são assíduos consumidores de uma infusão quente nomeada mate (conhecido como cimarrão no Sul do Brasil) que se prepara com a folhas secas e trituradas da planta de herva mate. Esta bebida não se toma em xícara nem copo senão que se a coloca num recipiente, também chamado de mate, que é redondo por embaixo e termina numa abertura na que se introduz uma bomba pela que se absorve a infusão. O mais comum é tomá-lo entre varias pessoas, compartilhando a mesma bomba.

A produção de vinhos em Argentina se modernizou muito nas últimas décadas. Mendonza produz os vinhos principais, também são bons os das províncias de San Juan, Salta e Rio Negro. Os vinhos argentinos têm muito boa reputação e grande parte da produção se destina à exportação. A cepa insígnia argentina é o malbec, que produz vinhos tintos de grande corpo, também se destaca o Syrah. Ademais, é muito característico o torrontés, um vinho branco que parece doce, mas não é.

Entre as bebidas alcoólicas que se encontram nos bares, aparte das mais comuns, como o vinho ou a cerveja, são clássicos em Buenos Aires o fernet (um amargo de origem italiana) e o gim (que não é o gin inglês, senão a versão holandesa).

Comidas tradicionais

As comidas mais tradicionais do país que possam achar-se facilmente em Buenos Aires são as empadas (massa de farinha e ovo que envolve um recheado, doce ou salgado; as de carne bovina com ovo duro, azeitonas e passas de uva são as mais tradicionais), a milanesa (e destas, a napolitana, que leva queijo mozzarella e molho de tomate) e o doce de leite (combinação de leite e açúcar fervida, usado para untar todo tipo de torradas, bolachas, rechear bolos, etc.). O locro é um dos pratos mais característicos da cozinha crioula e é muito comido em inverno -por seu conteúdo hipercalórico- ou para comemorar festas pátrias (os dias 25 de maio ou 9 de julho). Prepara-se com milho ou trigo, e pedaços de carne bovina e de porco, porotos, batata doce, abóbora e outros.

É muito saborosa a carne bovina, com cortes especiais, entre os quais destacam o lombo e o bife de chorizo. Menção especial merece o churrasco de carne de vaca à grelha: todo um rito consistente em realizar a cocção lenta da carne, salgada previamente, sobre as brasas do carvão ou lenha de uma grelha.

O alfajor é característico entre as guloseimas locais. Os que se elaboram no país costumam compor-se de dois ou mais bolachas unidas por um recheado doce e banhadas em chocolate, glacê ou cobertura de açúcar de confeiteiro. O recheado com doce de leite é o mais tradicional e consumido. Tambien os há de frutas e outros recheados.

Patrimônio
A Secretária de Cultura da Nação determinou que: o vinho malbec, o mate conjuntamente com a herva mate, o doce de leite, a empada e o asado levem o selo de Patrimônio Cultural, Alimentario e Gastronômico Argentino.

Como parte da herança italiana incorporada à gastronomia local aparecem as pizzas e as massas. As primeiras constituem uma dos mais comuns alimentos do portenho, consumidas em pizzarias como no lar. Pode ser pizza ao molde —com a massa mais gorda e oleosa— ou à pedra —massa fina e crocante—. Um costume comum é comer fainá, tanto só como montando-o sobre a porção de pizza. Muitas das mais tradicionais pizzarias portenhas se encontram sobre a Avenida Corrientes. As massas também constituem uma das comidas mas estendidas, sendo tradicional sua ingesta os domingos ao meio dia no almoço familiar. Outra tradição são os nhoques do 29: o 29 de cada mês se costumam preparar nhoques e comer pondo um bilhete embaixo do prato com o fim de atrair a fortuna.

Outra tradição gastronômica são as picadas, aperitivo consistente em pequenas porções de comidas que se comem com as mãos ou palitos. Entre os alimentos que formam uma picada geralmente se incluem presuntos, queijos cortados em cubos ou rodelas, pequenos pães, maní, azeitonas e batatas fritas. Costuma-se agregar recipientes contendo diferentes molhos nos quais se podem sazonar os alimentos.

Entre as sobremesas, um dos mais consumidos é o sorvete. Foi introduzido no país em meados do século XIX por imigrantes italianos, e se foi melhorando e expandindo sua produção até nossos dias. Em Buenos Aires podem encontrar-se tanto sorveterias tradicionais (por exemplo El Vesuvio ou Cadore, ambas sobre Avenida Corrientes) como as pertencentes a grandes correntes (Munchi's, Freddo, Persicco). Têm muito boa qualidade e grande variedade de sabores para eleger.

Outras sobremesas tradicionais são o flã, o pudim de pão e o arroz com leite. O flã se pode comer acompanhado com caramelo, com creme, com doce de leite ou uma quarta opção que é o flã misto, ou seja, a combinação dos dois anteriores. O pudim de pão é uma sobremesa realizada a base de pão com uma consistência similar ao flan, em seu interior se lhe podem adicionar passas de uva e se pode acompanhar com doce de leite. O arroz com leite se faz cozendo lentamente arroz em leite com açúcar, e se lhe agrega limão, canela ou vainilla para aromatizarlo.

Galeria de imagens

Preços de referência

Cotações (em ARS)
USD EUR
$3,80 / $3,84
$5,40 / $5,51

A seguir se detalham preços aproximados de alguns produtos e serviços, a fim de ter uma idéia do custo de vida na Cidade. O tipo de mudança é aproximada. Para informação mais precisa, confiram-se os valores da tabela da direita ou bem o conversor de Yahoo!.

Transporte:

De Ezeiza ao centro da cidade:
  • Táxi: ARS 80 - 100. USD 23 - 28. EUR 18 - 22.
  • Transporte em ônibus: ARS 40. USD 11,50. EUR 9,10.
De Aeroparque ao centro da cidade:
  • Táxi: ARS 20. USD 5,50. EUR 4,55.
  • Transporte em ônibus: ARS 15. USD 4 USD. EUR 3,40.
  • Bilhete de ônibus urbano (bilhete mínimo): ARS 1,10. USD 0,35 USD. 'EUR 0,25 EUR.
  • Bilhete do metrô: ARS 1,10. USD 0,35. EUR 0,25.
  • Litro de gasolina: ARS 2,40. USD 0,70. EUR 0,55.

Gastronomia

  • Café com leite e 3 croissants: ARS 7. USD 2. EUR 1,60.
  • Café com leite com torradas e doce / manteca: ARS 8. USD 2,30. EUR 1,80.
  • Sándwich torrado (duas unidades): ARS 10. USD 2,80. EUR 2,30.
  • Dúzia de facturas: ARS 12. USD 3,50. EUR 2,70.
  • Comida (bebida, prato principal e sobremesa ou café) por pessoa: ARS 20 - 45. USD 5,50 - 13. EUR 4,55 - 10.
  • Comida num restaurante de comida rápida: ARS 18 - 22. USD 5,20 - 6,30. EUR 4,10 - 5.
  • Big Mac: ARS 11. USD 3,10. EUR 2,50.
  • Comida num rodizio (buffet) com refrigerante: ARS 25 - 40. USD 7 - 11,50. EUR 5,70 - 9,10.
  • Uma pizza grande de mozzarella: ARS 20 - 30. USD 5,50 - 8,50. EUR 4,55 - 6,80.
  • Dúzia de empanadas: ARS 24 - 30. USD 6,80 - 8,50. EUR 5,45 - 6,80.
  • Porção de churrasco à grelha para duas pessoas: ARS 45. USD 13. EUR 10.
  • Sorvete artesanal (1 kg): ARS 30 - 45. USD 8,50 - 12,80. EUR 6,60 - 10.
  • Um alfajor: ARS 1,50. USD 0,40. EUR 0,35.

Bebidas

  • Café (xícara): ARS 3,50. USD 1. EUR 0,80.
  • Refrigerante de 500 cc: ARS 3,50. USD 1. EUR 0,80.
  • Água mineral, garrafa de 1500 cc: ARS 2,50. USD 0,70. EUR 0,60.
  • Cerveja de 1 l: ARS 7. USD 2. EUR 1,60.

Miscelânea

  • Entrada de cinema: ARS 15 - 20. USD 4,30 - 5,50. EUR 3,40 - 6,80.
  • Entradas a museu: grátis - hasta ARS 15. USD 4,30. EUR 3,40.
  • Entrada a um partido de futebol (primeira divisão): ARS 30. USD 8,50. EUR 6,60.
  • Entrada a discoteca: ARS 30. USD 8,50. EUR 6,60.
  • Tragos (dentro da discoteca): ARS 15. USD 4,30. EUR 3,40.
  • Jantar com espetáculo de tango: desde ARS 160. USD 46. EUR 36,40.
  • Analgésicos (8 comprimidos): ARS 2. USD 0,55. EUR 0,45.

Ao redor de Wikimania

O Obelisco, na interseção das avenidas Corrientes e 9 de Julio

Wikimania terá lugar no Centro Cultural General San Martín, na interseção das ruas Sarmiento e Paraná, a uma quadra da Avenida Correntes. Os visitantes serão alojados no Hotel Bauen, localizado sobre a Avenida Callao entre Sarmiento e a Avenida Corrientes.

Por tanto, os assistentes terão a possibilidade de percorrer uma das zonas mais ativas da vida cultural e artística de Buenos Aires. As opções gastronômicas e de entretenimento também não faltam, estando localizados ainda no macrocentro da Cidade. Poucas quadras para o sul se encontra a renomada Avenida de Mayo.

A Avenida Corrientes

A Avenida Corrientes, um dos principais pólos culturais, é onde se encontram o Teatro e o Centro Cultural San Martín. É um eixo da vida noturna e boêmia da Cidade de Buenos Aires, talvez com a que mais se identifica o portenho. Em seus bares e teatros se cunhou o tango, e ao longo de sua história o interpretaram neles grandes orquestras e cantores, entre eles o ídolo popular Carlos Gardel, quem viveu a seu lado. Ao longo de todo seu percurso é acompanhada pela linha B do metrô, além de numerosas linhas de ônibus.

O trecho que freqüentarão serão as sete quadras que decorrem entre as avenidas 9 de Julio e Callao, correspondentes na numeração desde o 1100 até o 1799. Na interseção com a primeira está emplazado o Obelisco de Buenos Aires, ponto de reunião de grandes concentrações políticas, esportivas, artísticas e de protesta da história argentina. Corrientes se transforma num pólo de diversão que tanto os portenhos como numerosos turistas percorrem a toda hora entretendo-se com seus espetáculos artísticos, culturais, livrarias, casas de chá e pizzarias. Por tudo isto é chamada a rua que nunca dorme. Ao cruzar a Avenida Callao se transforma numa avenida netamente comercial.

Entretenimento
Vista noturna em Corrientes e Talcahuano

O teatro e a revista são rubros que distinguem à avenida neste trecho. No 2007 se contabilizaram nestas sete quadras 25 teatros. Destacam-se o Lola Membrives, o Branca Podestá, o Multiteatro e o Metropolitan. Mas o maior e importante é o Teatro San Martín, situado entre as ruas Paraná e Montevideo. Alberga três salas teatrais equipadas com moderna tecnologia, a maior com capacidade para 1.700 expectadores, um cinema e uma fotogalería. Possui oficinas onde se confecciona o vestuário, a cenografia e os decorados. Nele se realizam conferências, espetáculos musicais e teatrais, exposições plásticas e outros eventos culturais. O Teatro não deve ser confundido com o Centro Cultural, sede de Wikimania, localizado em outro extremo do mesmo quarteirão.

Frente ao San Martín se acha, depois de uma moderna fachada vidriada e murais de artistas plásticos, o Centro Cultural de la Cooperación. Inaugurou-se em 2002 e nele se apresentam obras de teatro, exposições, debates e conferências. Seu piso térreo conta com uma livraria e café. Entre Montevideo e Rodríguez Peña se acha o complexo cultural e comercial Paseo La Plaza, onde por sinuosas ruas podem visitar-se suas cinco salas de teatro, mais de vinte lojas e 12 restaurantes.

No que a cinema se refere, destacam-se, entre Esmeralda e Callao, o Lorca ao 1400, o cinema-teatro Premier ao 1500, construído em 1944 com três andares visíveis através de um grande janelão com vidros emoldurados em varetas de bronze em sua frente e duas estátuas do escultor Ferrari que se erguem a ambos lados. Por último, chegando a avenida Callao, o cinema Los Angeles, que se especializa em exibir películas para público infantil e só em castelhano, e fora a primeiro sala no mundo em passar películas exclusivamente de Walt Disney.

Gastronomia
Interseção de Corrientes e Callao

Corrientes alberga numerosos cafés, restaurantes —quase todos pizzerías— e casas de chã tradicionais. Entre os primeiros se destacam, El Foro na esquina com a rua Uruguay, e La Giralda, reconhecido por preparar bom chocolate com churros, que pode tomar-se em suas mesas de madeira e mármore. Lugar de encontro da intelectualidade portenha, seu estilo sobreviveu às correntes modernizadoras. O café La Paz em Corrientes e Montevideo é um lugar freqüentado por artistas e público dos teatros próximos. O café El Estaño, na esquina com Talcahuano, é um café tanguero. Em Correntes e Callao o restaurante-bar La Opera, é um clássico lugar de reunião de famílias, gente de negócios e casais.

Quanto aos restaurantes, tem muita variedade, como por exemplo as pizzarias situadas na quadra do 1300, Güerrín, defronte da qual se encontra Los Inmortales, pela que passaram muitos intelectuais, artistas e boêmios retratados nela. Banchero Centro funciona desde 1932 em esquina com Talcahuano. A seu iniciador Agustín Vanchero se lhe atribui ser o criador da fugazza com queijo.

El Palacio de la Papa Frita, em Corrientes 1612, é um reconhecido restaurante com comida internacional e variedade de vinhos finos. Outro restaurante clássico é Pippo, que conquanto não está sobre Corrientes, acha-se em Paraná 356 à volta do Centro Cultural. É ideal para comer rápido e a um preço econômico já seja suas massas caseiras, acompanhadas com variedade de molhos, entre elas a mais famosa de tuco e pesto; ou suas carnes de exportação assadas à grelha. Também se pode comer em La Farándula, restaurante localizado na esquina de Corrientes e Montevideo, que oferece vários menúes a preços promocionais.

Na quadra do 1400 se encontra a bomboniere Bombonella, fundada em 1941, que produz todo tipo de chocolates em forma artesanal; e a luxuosa Lion d’Or, com suas caixas artesanais que guardam chocolates elaborados com matérias primas de qualidade. Em Corrientes 1669 se acha El Gato Negro, uma tradicional loja de especiarias, com bom ambiente portenho e ideal para tomar um café com algo doce. A primeira sorverteria da cidade existe ainda no 1181 de Corrientes e se chama El Vesuvio. Tem também serviço de cafeteria. Desde 2007 conta a seu lado com um resto-bar. Seu interior está decorado com fotografias antigas dos mais importantes expoentes da cultura argentina, e com vitrales que recordam paisagens italianas.

A Avenida de Mayo

Vista do Congresso da Nação desde a Avenida de Mayo

Quatro quadras ao sul de Corrientes corre paralela a Avenida de Mayo. Situada no bairro portenho de Monserrat, foi o primeiro bulevar que teve Buenos Aires e a coluna vertebral do centro histórico e cívico. Inspirada na Grande Via madrilenha, nasceu opulenta e se transformou com o tempo em símbolo das relações hispano-argentinas, bem como em palco das grandes manifestações sociais portenhas. Em 1997 foi declarada como Lugar Histórico Nacional por meio de um decreto do Executivo nacional.

Começa na rua Bolívar e sua traça deste a oeste corre entre as laterais Hipólito Yrigoyen e Avenida Rivadavia. Desta maneira liga a histórica Praça de Mayo com a Praça do Congresso, numa extensão de umas dez quadras.

Ao início da Avenida de Mayo se pode encontrar a Casa da Cultura que foi inaugurada no ano 1896, construída sob o projeto dos engenheiros Gainza e Agote, de estilo academicista francês. O edifício foi construído num começo para ser ocupado pelo jornal La Prensa, mas atualmente é a sede do Ministério de Cultura do governo portenho e oferece atividades culturais gratuitas.

O Palacio Barolo (Av. de Mayo 1370)

Na mesma quadra se encontra a casa de chã London City, que abriu suas portas no ano 1954 e desde então a visitam políticos, artístas e oficinistas do microcentro. É suas mesas, o escritor Julio Cortázar escreveu a novela Los premios, em cuja primeira página se lê: "Era no London de Peru e Avenida".

Mais adiante se acha o Palacio Vera, de estilo art nouveau, que foi construído em 1910 para moradia da família Díaz Vélez. No edifício funcionam atualmente duas livrarias que se especializam em exemplares estranhos e primeiras edições. Na próxima quadra se encontra o Café Tortoni, fundado em 1858 por um imigrante francês, considerado o café em funcionamento mais antigo de toda a Cidade de Buenos Aires. Para princípios do século XIX, o Tortoni era —como hoje— um dos cafés onde se encontravam os intelectuais, os políticos e os tangueros. Atualmente é um lugar imperdível dos turistas.

Em Avenida de Mayo ao 1200 se encontra o Teatro Avenida, que data do ano 1908, construído por Lope de Vega. As zarzuelas do Avenida foram um clássico em Buenos Aires até que, por um incêndio, o teatro se fechou em 1979. No entanto, foi reaberto em 1994 com a apresentação do cantor espanhol Plácido Domingo. O teatro conserva sua tradição dramática espanhola e de lírica. Na mesma quadra, também se encontra o Bar de los 36 Billares, que foi construído em 1894 e se o considera um dos bares mais tradicionais e centros mais importantes de bilhar de todo o país. Os 36 tem mesas de pool, de snooker e de bilhar.

Na seguinte quadra, acha-se o Edifício Barolo, construído pelo arquiteto italiano Mario Palanti para seu compatriota Luis Barolo, um poderoso empresário têxtil. Foi inaugurado em 1923 e foi considerado o edifício mais alto de toda a cidade até o ano 1935, com a construção do Kavanagh. Palanti era um estudioso de Dante Alighieri; como a Divina Comédia, o Palácio está dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Céu.

O Bar de los 36 Billares (Av. de Mayo 1265)

A Avenida culmina num trajeto curvo de poucos metros entre as praças Mariano Moreno e Lorea, com a vista imponente ao fundo do Palácio do Congresso da Nação Argentina, coroado pela maior cúpula de tudo Buenos Aires. O Congresso da Nação é a sede do poder legislativo do país: aloja às câmaras de senadores e de deputados. O projeto é do arquiteto italiano Víctor Meano, mas depois de sua morte a obra foi concluída por Julho Dormal. Está em uso desde o ano 1906.

A escassos metros, na praça do Congresso, acha-se o monolito do quilômetro 0, desde onde partem todas as rotas nacionais do país. Esta última está separada do Palácio do Congresso precisamente pela Avenida Callao, sobre a qual está situado o alojamento. Também pode ver-se uma réplica em bronze sobre a Vaga Moreno do monumento de O Pensador (1907), realizada a partir do molde original e assinada por seu criador, o escultor francês Auguste Rodin.

A linha A do metrô

Sob a Avenida de Mayo discorre a linha A do metrô de Buenos Aires, que foi aberta ao público o 1 de dezembro de 1913, convertendo-se assim na primeira de toda América Latina, o Hemisfério Sur e Hispanoamérica. A linha segue mantendo seus antigos carros carrozados em madeira La Brugeoise, de origem belga e construídos durante a década de 1910, enquanto a estação Peru se conserva aproximadamente como na época de sua inauguração e inclui elementos históricos. Todas suas estações originais foram declaradas Monumento Histórico Nacional em 1997. O passo do tempo a converteu num atrativo turístico.

Que visitar e fazer em Buenos Aires

Se pode encontrar informação sobre atrativos, atividades e serviços no site oficial do Ente de Turismo da Cidade de Buenos Aires. Ademais é possível visitar os Centros de Informação Turística que se encontram na Cidade, para obter informação e folhetos. Estes centros se encontram nos principais pontos de interesse:

  • Aeroporto de Ezeiza
  • Aeroporto Jorge Newbery
  • Centro de Documentación Turística (Carlos Pellegrini 217)
  • Florida (Florida 100)
  • Florida e Marcelo T. de Alvear
  • Puerto Madero (Alicia Moreau De Justo 200 - Dique 4)
  • Recoleta (Quintana 596)
  • Retiro (Av. Antártida Argentina, Terminal de Ómnibus - Local 83)
  • San Telmo (Defensa 1250)

Circuitos turísticos em Buenos Aires:

Colorido típico das casas no bairro da Boca
Vista de Puerto Madero, o bairro mais jovem da cidade
A Plaça San Martín, no bairro de Retiro
  1. Abasto: o Abasto é a parte mais tanguera do bairro de Balvanera. Habitaram-no grandes figuras da música de Buenos Aires, como Aníbal Troilo, Osvaldo Pugliese e o cantor mais famoso, ícono dos portenhos: Carlos Gardel. Há um importante shopping localizado no que antes era o Mercado do Abasto.
  2. Av. Corrientes: é uma das avenidas mais representativas de Buenos Aires e uma das mais queridas pelos portenhos. Milhares de pessoas e de veículos a percorrem todos os dias, e muito especialmente os fins de semana. Corrientes é a avenida das livrarias, os cafés, os teatros e as pizzarias.
  3. Av. de Mayo: a avenida se inaugurou em 1894. Seu traça une a Praça de Mayo, sede do Poder Executivo, com a do Congresso, sede do Legislativo.
  4. Capacete Histórico: a zona mais antiga da cidade concentra edifícios públicos e é sede dos poderes Nacional e portenho. A Praça de Mayo —estabelecida no século XVI— é um espaço histórico de expressão popular.
  5. La Boca: é um bairro portuário, de futebol e imigrantes, de velhas pizzarias, bares e cantinas. Suas casas tradicionais estão construídas com madeira e chapas multicolores. A larga boca do Riachuelo foi o primeiro porto da cidade.
  6. Palermo, bosques e lagos: com uma dimensão superior a 100 hectares, esta zona é o pulmão verde mais extenso da cidade. Os cuidados parques estão povoados por altíssimas tipas e jacarandaes. É um passeio ideal para um dia de sol em Buenos Aires.
  7. Palermo Chico: é uma das partes mais elegantes de Buenos Aires, onde muitos portenhos sonharam com construir casas e mansões como as que tinham visto em Europa. Suas veredas e seus parques luzem árvores centenárias.
  8. Palermo Viejo, Soho e Hollywood: um bairro de casas baixas e ruas que souberam ser calmas e silenciosas. Na década de 1990 se povoou de modernos bares, restaurantes e lojas de roupa e desenho de vanguarda.
  9. Puerto Madero e Costanera Sur: com vinte anos de história, Puerto Madero é o bairro mais jovem da cidade. Sua arquitetura, originalmente inglesa, recorda os anos de esplendor do porto de Buenos Aires. Perto, Costanera Sur é um dos paraísos verdes da cidade.
  10. Recoleta: nas primeiras décadas do século XX, a classe alta porteña começou a instalar luxuosas moradias na zona, convertendo-se num bairro de ruas amplas e senhoriais. Recoleta tem algumas das praças mais belas da cidade. Duas construções sobressaem, o Cemitério da Recoleta, onde descansam os restos de importantes personalidades da história e a cultura argentina, e a Basílica de Nossa Senhora do Pilar, construída em 1732 e que permite a visita aos "claustros" que se mantêm intactos desde essa época.
  11. Retiro: era o limite norte da aldeia que faz muito tempo foi Buenos Aires. O bairro combina o movimento —os trens, as multidões, o trânsito— da grande cidade com vagas amplas e ruas residenciais. Neste bairro se localizam grande quantidade de palácios representantivos da belle époque portenha.
  1. San Nicolás: este bairro, que quase não é conhecido por seu nome, é onde se encontra o "Centro" portenho. Dentro dos limites do mesmo encontramos a City (zona bancária), a rua Florida, o Obelisco, o Palácio de Justiça —conhecido como Tribunales, é a sede o Poder Judicial da Nação— e o Teatro Colón —reconhecido a nível mundial por sua acústica e beleza—.
  2. San Telmo: um dos bairros mais antigos, San Telmo é dos passeios favoritos de locais e estrangeiros. Tem tradicionais bares, restaurantes, milongas, tanguerias e muitas casas de antigüidades. Ademais, os domingos funciona na praça Dorrego a Feira de antigüidades de San Telmo.

Compras

Galerias Pacífico, localizada sobre a Rua Florida entre Córdoba e Viamonte.

Em Buenos Aires se podem comprar a preços baixos artigos de excelente qualidade, já sejam livros, discos, vinhos ou roupa. Nos principais circuitos de compras e nos shoppings centers os vendedores costumam falar diferentes idiomas e se aceitam moedas estrangeiras.

A maioria dos shoppings centers abrem todos os dias de 10 a 22 h e reúnem negócios de grandes marcas internacionais e locais. Também possuem pátios de comidas e salas de cinema, pelo que são um passeio comum de fim de semana de muitos portenhos. Deixando a um lado os grandes estabelecimentos —shoppings—, na cidade há vários circuitos comerciais: as casas de artigos de couro se concentram nos bairros de Retiro e Villa Crespo (ruas Florida e Murillo). A Avenida Corrientes —especialmente entre o Obelisco e a Avenida Callao— tem grandes livrarias e disquerias. Em Avenida Córdoba, à altura do bairro de Palermo, há uma alta densidade de casas de roupa informal, de primeiras e segundas marcas. O bairro de San Telmo está repleto de anticuarios: pode-se conseguir desde brinquedos de madeira de faz cinquenta anos até jade chinês. Nos últimos dez anos se abriram muitos locais de desenho de vanguarda (de móveis, objetos e roupa) em Palermo Viejo.

Florida é uma importante rua onde fazer compras, muito freqüentada por turistas. Em suas dez quadras para pedestres, que se estendem desde a Av. Rivadavia até a Praça San Martín, encontram-se variados comércios e galerias que oferecem artigos de todo tipo (livros, produtos de couro, lembranças, roupa, entre outros). Ademais sobre esta rua está localizado o importante shopping center Galerias Pacífico.

Cultura

File:Malba2.jpg
Fachada do Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires

Buenos Aires tem muitas galerias de arte e museus, tanto públicos como privados. Nos bairros de Retiro, Barrio Norte, e Recoleta se concentram as maiores galerias. Nos últimos anos, algumas abriram no bairro de Palermo. Em general, os preços da arte argentina são baixos para o padrão internacional.

  • MNBA: o Museu Nacional de Belas artes tem a maior coleção de arte argentina do país, com mais de 11.000 peças. Também são importantes as obras de artistas internacionais de todas as épocas, desde Brueghel até Foujita, passando por Rodin, Goya ou Picasso.
  • De la Ciudad: situado em pleno capacete histórico, este museu se encarrega de preservar a história da Cidade e de seus habitantes, tendo entre seu patrimônio, por exemplo, objetos que mostram os usos e costumes em diferentes épocas.
  • De Arte Popular José Hernández: aqui se encontram diferentes artesanatos, tanto tradicionais como atuais. Há trabalhos em prata, telas, couro, vidros, osso, madeira e cestería.
  • De Arte Espanhola Enrique Larreta: está localizado na que fora a casa do escritor Enrique Larreta, e alberga uma importante coleção de arte espanhola, que contém escultura em madeira, pinturas do Renascimento e Barroco e também mobiliário e artes decorativas.
  • Museu de Arte Hispanoamericana Isaac Fernández Blanco: este museu possui uma coleção baseada em objetos artísticos e decorativos provenientes de Sudamérica desde o período de dominação colonial até a era independente.
  • MAMBA: o Museu de Arte Moderna de Buenos Aires, localizado em San Telmo, conserva grande quantidade de peças de arte argentina das décadas de 1940, 1950 e 1960, e obras de arte internacional que abarcam até a atualidade.
  • Museu de Esculturas Luis Perlotti: neste museu se difunde a obra de Luis Perlotti, escultor abocado à temática americanista.
  • Museu de Artes Plásticas Eduardo Sívori: encontra-se situado nos bosques de Palermo, frente ao lago do Rosedal, e se especializa em arte argentina, conservando diferentes expressões das artes plásticas principalmente de princípios de século XX.
  • Museu Casa Carlos Gardel: na que fora a casa onde viveram Carlos Gardel e sua mãe —zona do Abasto— encontra-se este museu, que conserva o patrimônio relacionado com o célebre tanguero.
  • MALBA: o Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires foi criado por um empresário e colecionador de arte. A mostra permanente constitui uma das coleções de arte latinoamericana maiores do mundo.
  • Evita: inaugurado em 2002, o Museu Evita (Lafinur 2988) percorre, através de objetos pessoais e depoimentos históricos, a vida de Eva Duarte, segunda esposa de Juan Domingo Perón.
  • Museu da Paixão Boquense: no bairro da Boca se pode ir a este museu, consagrado ao Clube Atlético Boca Juniors. É um museu interativo que percorre a história do clube, seus triunfos e jogadores. Ademais se pode realizar uma visita guiada pelo estádio.

Livrarias

Em Buenos Aires abunda a oferta editorial. O centro, especialmente, está talher de livrarias e de kioskos com diários e revistas.

Interior da livraria El Ateneo Grand Splendid

Para os viajantes pode ser tão interessante visitar uma livraria de velho (livros usados) como uma das grandes correntes. Os bibliófilos procuram primeiras edições de Cien años de soledad (do colombiano García Márquez, publicado por Sudamericana de Buenos Aires em 1966) ou dos livros do argentino Jorge Luis Borges, como Ficciones. Outros escritores argentinos prestigiosos: Cortázar, Arlt, Bioy Casares, Saer, Sábato, Marechal, Silvina Ocampo, entre muitos outros.

Nos quiosques —além de jornais e revistas — podem-se conseguir historietas. Argentina tem uma forte tradição no gênero, com grandes ilustradores e roteiristas. Encontram-se clássicos —El Eternauta (Oesterheld-Solano López), Mafalda (Quino), El Loco Chávez (Trillo-Altuna), a obra dos Breccia, a de Carlos Nine — e modernos: Parés, Podeti, Mauro Cascioli, Ariel Olivetti, Pablo Páez. Os bancas da rua Florida, Avenida Corrientes e do bairro de Recoleta são, em general, os mais sortidos e costumam vender jornais e revistas estrangeiras.

A Avenida Corrientes tem a maior densidade de livrarias em toda a cidade, sobretudo entre as avenidas 9 de Julio e Callao. Muitas liquidam grandes lotes de livros a preços muito baixos. Também estão as grandes e as especializadas. A maioria fecha tarde; os fins de semana podem atender até passada a meia-noite. Sobre a Avenida Santa Fe se encontram algumas das livrarias mais elegantes da cidade. A rua Florida também conta com numerosas livrarias, variadas delas estão orientadas ao turismo.

Outros dois importantes pontos de compra e venda de livros —em sua maioria usados— são as feiras que se localizam em Parque Rivadavia e em Parque Centenário, ambos localizados no bairro de Caballito.

Diversão

Vida noturna

As discotecas começam a encher-se depois das 2 da manhã

A atividade noturna é intensa em Buenos Aires. Uma saída típica de sexta-feira, por exemplo, pode começar com um jantar às 23, continuar com a visita a um bar à 1:30, a uma discoteca às 3 e terminar com um café da manhã num café às 7:30 h.

Os restaurantes de certas zonas servem jantares completos até as 3 da manhã. Algumas pizzarias estão abertas toda a noite. Os bares noturnos que mais tarde fecham o fazem ao redor das 7 da manhã, ainda que os há abertos as 24 horas. O café da manhã se pode tomar a partir das 5 da manhã nos cafés que abrem mais temporão, ainda que alguns funcionam também as 24 horas.

As milongas —onde se dança tango— têm um horário amplo: algumas funcionam desde as 21, outras desde as 24 h. As sextas-feiras e os fins de semana há funções de cinema até as 1:30 da madrugada. As principais obras de teatro começam entre as 21 e as 23. A gente chega às discotecas ao redor das 1, mas o máximo de público se atinge duas horas mais tarde. Há espetáculos musicais desde as 21 até as 4 da manhã.

Bares noturnos e discotecas há em toda a cidade, mas especialmente nos bairros de Palermo, San Telmo, Retiro e Recoleta.

Partindo da Praça San Martín, em Retiro, encontram-se bares, restaurantes, pubes de estilo inglês e discotecas pelas ruas San Martín, Reconquista, 25 de Mayo e arredores. Cerca de Retiro, Puerto Madero, ao redor dos diques, também oferece atividade até altas horas da madrugada. Palermo, o maior bairro da cidade, é um dos de maior desenvolvimento gastronômico nos últimos anos. abundam os bares de moda, os restaurantes de cozinha étnica ou de autor e as discotecas. Destacam-se a zona Las Cañitas (arredor das interseção das avenidas Luis María Campos e Chenaut) e os Palermo Soho e Hollywood. San Telmo combina bares noturnos tradicionais da zona (menos sofisticados do que os de Palermo) com muitos que abriram faz poucos anos, de estilo mais moderno. Há bares, cafés, discotecas, milongas e restaurantes em todo o bairro, mas o epicentro pode considerar-se a Praça Dorrego, em Defesa e Humberto Primo. Em Recoleta, os bares, restaurantes e discotecas se concentram ao redor da esquina de Quintana e Ortiz.

O tango
Casal dançando tango

A música porteña nasceu nos últimos anos do século XIX e terminou de formar-se na década de 1920. Como se ascendência costumam nomear-se certos ritmos pretos —como a habanera— e o folclor da província de Buenos Aires. As primeira agrupações tocavam com flauta, harpa e piano; em seguida o harpa se substituiu pela viola espanhola; mais adiante, o som definitivo e típico do tango apareceu com o bandônio.

Atualmente, depois de um par de décadas de pouca atividade, o tango multiplicou seu número de praticantes e novos grupos musicais apareceram na cena tanguera. Em Buenos Aires podem escutar-se desde trios de violas até orquestras de dezenas de integrantes. Desde a década de 1990 começaram a aparecer agrupações de tango de músicos jovens. Algumas assumem o cânon musical, mas o renovam com arranjos originais e interpretações poderosas, como as orquestras de Fernández Fierro, La Chicana e Valetango. Outras agrupações experimentam com sons tangueros e ritmos eletrônicos, como Bajofondo ou Gotan Project.

A cidade tem mumerosas tanguerias com orquestras e bailarinos que atuam ao vivo. Os lugares de maior realce costumam incluir um jantar que acompanha ao espetáculo. Também estão as milongas, lugares onde vai dançar. Muitas organizam aulas antes da dança —para novatos e iniciados, grupales ou individuais—. As lições duram entre uma e duas horas. Desde o primeiro encontro os professores treinam aos principiantes no domínio do passo básico: oito movimentos que podem aprender-se em poucas horas.

O milonguero é um ambiente noturno. Muitos locais começam a encher-se depois das 23 h. Nas milongas de moda a pista está coberta de casais: para dançar com comodidade há que chegar cedo ou ir-se tarde. Ainda que algumas proíbem o calçado desportivo; à maioria das milongas se pode entrar com roupa sport. O público milonguero se preocupa por sua aparência e veste elegantemente. Para dançar os homens usam sapatos de couro de sola lisa; as mulheres, de calço alto.

Ciudade gay-friendly

A Parada do Orgulho LGBT se realiza anualmente em Buenos Aires

Buenos Aires se converteu num destino de viagem popular para o turismo gay. É a cidade com maior liberdade e abertura da comunidade homossexual em América Latina, e foi a primeira na região, no ano 2002, em reconhecer legalmente a união civil entre casais do mesmo sexo. A Cidade adotou o conceito de hetero friendly, que fala em general de um entendimento entre gays e heterossexuais, convertendo-a numa experiência mais integradora. Buenos Aires é uma cidade aberta, sem guetos. A comunidade gay em Buenos Aires tem no entanto vida própria com lugares específicos de reunião. Uma das zonas de encontro mais marcantes é a união das Avenidas Santa Fé e Pueyrredón. Existe grande quantidade de bares, cinemas, ginásios, restaurantes e discotecas dedicadas a este tipo de público.

A principal Parada do Orgulho LGBT do país se realiza anualmente em Buenos Aires o primeiro sábado do mês de novembro, em comemoração da formação do primeiro grupo gay na cidade no ano 1969. Em seu edicão de 2008, coincidiram à marcha mais de 50.000 pessoas.

Os leitores de Out Traveler —a revista estadounidense mais influente do mundo no campo do turismo gay— elegeram a Buenos Aires como o melhor destino turístico internacional para viajantes homossexuais, localizando-se por acima de Barcelona e Ámsterdam. Entre as vantagens de Buenos Aires, os leitores ressaltaram seus arredor de 25 bares e discotecas orientadas a um público gay, seus inumeráveis cafés e a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Ademais, o Governo da Cidade organiza o Festival Internacional de Tango Queer.

Que visitar no país

Centro

Na região da planície pampeana, epicentro da produção agropecuária do país, encontram-se as fazendas, com seus gaúchos e tradições folclóricas. Foram construídas seguindo estilos variados, como o colonial hispano–americano, o Tudor inglês ou o clássico francês e em muitos casos foram adaptadas para que os turistas se alojem nelas.

A Província de Buenos Aires conta com uma extenso litoral, que vai desde a cidade de San Clemente para o sul até Monte Hermoso. Um dos pontos mais importantes é Mar del Plata, a maior cidade da costa atlântica e uma das preferidas pelos turistas. Não só conta com oferta de praias, senão que também tem um intenso movimento comercial, cultural e artístico.

Para o noroeste desta planície se encontram as Serras de Córdoba, onde são de especial atracção para o turista seus férteis vales e bucólicas paisagens. Algumas das principais localidades serranas são Villa Carlos Paz, Cosquín, Villa Geral Belgrano e Mina Clavero.

São importantes as construções jesuíticas, que foram declaradas Patrimônio da Humanidade pela UNESCO: a Quarteirão Jesuítica em Córdoba capital e o Caminho das Fazendas Jesuitícas. Estas estâncias, cuja função era manter economicamente o labor da Companhia de Jesús, localizam-se nos arredores da capital e datam dos séculos XVII e XVIII.

Cuyo

Cuyo se caracteriza por suas altas cumes, vulcões e montanhas nevadas —que desfrutam em especial os esquiadores— e vastas travessias que se estendem desde a Cordilheira dos Andes e as serranias precordilleranas até a planície esteparia. Nesta zona dos Andes se encontra o picos mais alto de América, o Aconcagua (6959 msnm).

O Parque Nacional Ischigualasto, também chamado Vale da Lua pelas surpreendentes formas e cores de sua paisagem talhada pela erosão, é um dos jazigos paleontológicos mais importantes do mundo. Foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade. O canhão do rio Talampaya assombra com os vincos multiformes de seus altos e avermelhados paredões. Animais nativos como patos, vicunhas e guanacos convivem livremente em parques e reservas naturais, sob o vôo dos cóndores.

Nos vales de La Rioja, Mendoza e San Juan se pode seguir a rota do vinho argentino, que conseguiu o reconhecimento internacional.

Litoral

É a região de grandes rios, da terra vermelha e da selva virgem repleta de árvores gigantes, e muito rica em flora e fauna. As Cataratas do Iguaçú (Misiones), os Esteros do Iberá (Corrientes), a planície chaquenha (Chaco) e os parques nacionais são o exuberante habitat de uma incrível e variada fauna.

Também se acham as históricas Ruínas Jesuíticas (Misiones), declaradas pela UNESCO Patrimônio Cultural da Humanidade. O Monumento à Bandeira (Santa Fé) e o Palácio de San José (Entre Ríos) são outros lugares históricos para conhecer nesta região. A tradição se reflete tanto na vestimenta dos gaúchos como na música e os carnavais, destacando-se o da cidade balnearia de Gualeguaychú (Entre Ríos).

Norte

Entre cerros multicolores, o noroeste argentino (NOA) oferece um panorama de grandes contrastes: altas cumes, planícies, salgares e selvas subtorpicales. Alguma das muitas coisas que podem achar-se no norte é uma combinação de vestígios precolombinos, ruínas de fortalezas e povoados indígenas e construções da conquista e da colonização espanhola.

Tucumán, capital da província homônima, foi onde se assinou em 1816 a independência formal da Argentina. A casa onde se realizou o ato —Casa da Independência—se conserva— restaurada e convertida em museu. Na província de Salta destacam os pólos turísticos de Cachi e Calafate, esta última região vitivinícola. A cidade de Salta, com vestígios coloniais, é particularmente atraente. Em Jujuy, a província mais nordestina do país, destaca a Quebrada de Humahuaca, declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, na que podem visitar-se pitorescos povoados e o emblemático Cerro das Sete Cores. Pelo norte e o oeste se eleva o Planalto ou Puna, extensa meseta a mais de 4000 msnm.

Patagônia

A Patagônia é uma região em que tudo é em grande estilo: sua Cordilheira dos Andes exhibe sua grandeza, com bosques milenares e espécies vegetais que se estendem a orlas dos imensos espelhos de água. San Carlos de Bariloche, situada dentro do Parque Nacional Nahuel Huapi, é um importante centro de esqui. As montanhas derramam seus maravilhosos glaciares em lagos de grande beleza. Entre eles se conta o famoso glaciar Perito Moreno, pelo qual se podem realizar caminhadas. O Parque Nacional os Glaciares, dentro do qual se encontra este último, tem uma extensão de 724.000 tem e inclui a um total de 356 glaciares.

A poucos quilômetros ao este da cordilheira se estende um imenso deserto, até chegar à costa sobre o Atlântico Sul. Ali, entre outros animais marinhos, há colônias de lobos e elefantes marinhos na Península Valdés, o mais importante apostadero continental do mundo, ao que chegam as baleias francas para procrearse e podem observar-se a uma distância de escassos metros, seja desde a costa ou desde botes infláveis. Maras, emas e guanacos habitam as estepes. Em Punta Tombo anida a maior colônia de pingüins magallánicos do planeta.

No confín sul da Patagônia, e portanto do continente, encontra-se a Ilha Grande da Terra do Fogo, onde se assenta a cidade mais austral do mundo, Ushuaia.

Cidades turísticas importantes da região são San Martín de los Andes (Neuquén), San Carlos de Bariloche (Rio Negro), Puerto Madryn (Chubut), Esquel (Chubut), El Calafate (Santa Cruz), Ushuaia (Terra do Fogo, Antártida e Ilhas do Atlântico Sul).